SELECT topo FROM abc_paginas WHERE link = '155' SELECT pagina FROM abc_paginas WHERE link = '155'
Desperdícios e corrupção prejudicam hospitais brasileiros




São Paulo — de acordo com Francisco Balestrin, presidente da associação nacional de Hospitais Privados, que reúne instituições como o Albert Einstein, de São Paulo, e o Copa D’Or, do Rio de Janeiro, o maior problema do sistema de saúde privado não é a escassez de recursos financeiros.

O pior mesmo são os desperdícios e a corrupção. De um modo geral, segundo Balestrin, os hospitais privados brasileiros são mal administrados e sofrem perdas gigantescas por causa de compras superfaturadas, pagamentos de comissões e desvios de material.

Exame - Qual é o custo da corrupção e da ineficiência para o sistema de saúde privado brasileiro?

Balestrin - De acordo com um relatório da Organização Mundial da Saúde, de 20% a 40% dos gastos são perdidos. Seguindo os mesmos parâmetros, as perdas no Brasil custam hoje cerca de 80 bilhões de reais.

Mais ou menos 8 bilhões entram na conta da corrupção, que tem efeitos extremamente maléficos sobre a qualidade da gestão dos recursos destinados à saúde — tanto a pública quanto a privada. Além de corrupção, há muito desperdício.

Exame - Quais os elos vulneráveis da cadeia? Em que momento as irregularidades são mais flagrantes?

Balestrin - Nos processos de compra. Quem ganha mais dinheiro com o setor de saúde são os fornecedores de equipamentos, remédios e material hospitalar. Em geral, esses ganhos são justos, por causa dos investimentos em inovação que essas empresas fazem.

Afinal, os hospitais dependem do avanço da tecnologia para melhorar o atendimento. Mas existe o lado feio da história, que se trata da distribuição de comissões para médicos usarem uma ou outra marca, da formação de cartéis e do uso de tecnologias desnecessárias.

Exame - Todos os hospitais privados têm o mesmo problema?

Balestrin - Nas instituições da nossa associação, a regra é selecionar algumas opções de marcas para o médico escolher. O médico não tem autonomia para privilegiar um fabricante. Mas em muitos hospitais privados a autonomia é total.

Exame - Esse poder do médico favorece a corrupção?

Balestrin - Temos preocupação com a pressão da indústria e dos distribuidores sobre os médicos. Os hospitais devem centralizar as compras com base em critérios de qualidade e preço, e não por causa de benefícios escusos.

Exame - O senhor pode dar um exemplo?

Balestrin - Desde que sai da fábrica até sua utilização no paciente, o dispositivo tem seu preço elevado quase oito vezes. Uma prótese de joelho, cujo preço médio de fábrica é 2 100 reais, chega ao hospital por 13 000 reais e, quando é colocada no paciente, custa 15 600 reais. Dos 13 000 reais, 27% são a comissão do médico — o valor que ele coloca no bolso, lícita ou ilicitamente, por escolher determinada prótese.

Exame - O que dá para fazer para resolver esse problema?

Balestrin - É preciso rever o excesso de burocracia e tornar o sistema de saúde mais transparente. Além disso, é necessário melhorar os processos de compra.

Exame - Uma nova lei federal acaba de permitir que o capital estrangeiro tenha o controle de hospitais privados. Isso pode mudar essa situação?

Balestrin - Com certeza. Esses grandes investidores são organizados e trazem novos padrões de governança corporativa, de processos e de compliance. A tendência é a corrupção diminuir.

Fonte: http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1082/noticias/desperdicios-e-corrupcao-prejudicam-hospitais-brasileiros


Feira Hospitalar: Nosso associado Arkmeds




Reservem a Agenda: “I Fórum de Gestão de Infraestrutura Hospitalar”




Congresso Brasileiro de Manutenção




Sorteio de vaga para Curso de Segurança Elétrica Aplicada aos Equipamentos Eletromédicos




Omni Experience - Sucesso!




Metrosaúde 2018




APRESENTAÇÃO ELUXEO - FUJIFILm Para Engenheiros Clínicos




Omni Experience




Primeiro Simpósio de Eletrocirurgia para Engenharia Clínica




Ranking dos melhores hospitais da América Latina




Associação Brasileira de Engenharia Clínica – ABEClin

A ABEClin, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e de duração ilimitada. Foi estabelecida com o objetivo de incentivar, consolidar, integrar e qualificar os profissionais que atuam na área de Engenharia Clínica definindo-os da seguinte forma:

“O Engenheiro Clínico é o profissional que aplica as técnicas da engenharia no gerenciamento dos equipamentos de saúde com o objetivo de garantir a rastreabilidade, usabilidade, qualidade, eficácia, efetividade, segurança e desempenho destes equipamentos, no intuito de promover a segurança dos pacientes.”