SELECT topo FROM abc_paginas WHERE link = '80' SELECT pagina FROM abc_paginas WHERE link = '80'
Só 5% dos hospitais no Brasil têm selo de qualidade, 40% deles estão em SP




Não há lei que obrigue a instituição a buscar certificação, feita por empresas externas encarregadas de avaliar centenas de processos em um hospital como prontuários, taxa de infecção e capacitação de funcionários.

Nos EUA e no Canadá, governos e seguradoras de saúde exigem certificação dos hospitais com os quais firmarão contratos ou parcerias. E pacientes usam o selo como parâmetro para escolher.

No Brasil, não há incentivo por parte dos governos ou das operadoras de saúde para que mais hospitais busquem a acreditação.
"Não há nenhuma vantagem em ser acreditado no Brasil, nem penalidade por não sê-lo. Isso fica a critério dos gestores de hospitais e da disponibilidade de recursos", diz Ana Maria Malik, coordenadora do núcleo de saúde da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e autora de estudo sobre acreditação no país.

Dos 283 hospitais acreditados até o mês passado, quase 40% estavam concentrados em território paulista. Na região Norte, Acre, Rondônia, Roraima e Tocantins não têm instituições certificadas.

Nos EUA, mais de 90% dos hospitais têm acreditações, segundo informações de Jean Moody-Williams, diretora do programa de qualidade ligado ao CMS, órgão do governo americano responsável pelos serviços públicos de saúde (Medicare e Medicaid).

O CMS não fecha contratos com hospitais sem essa chancela. "Abrir-se para a acreditação é o mínimo que se espera de uma instituição hospitalar", disse Jean à Folha durante um congresso de qualidade hospitalar promovido pela FGV em abril.

Não há garantia de que a acreditação afete diretamente a qualidade, mas indica que o hospital deseja melhorar. "Isso abre possibilidades de novas e boas práticas de gestão", explica Malik.

A economista da saúde Maureen Lewis, professora na Georgetown University (Washington), tem a mesma avaliação. "A acreditação dá uma garantia mínima. Se ninguém fiscaliza, os hospitais fazem o que querem", afirma.

Para ela, a certificação traz mais segurança ao paciente. "Os hospitais não podem deixar aumentar o nível de infecção hospitalar senão perdem o selo", exemplifica.

Na opinião de Maria Carolina Moreno, superintendente da Organização Nacional de Acreditação, uma das quatro acreditadoras atuantes no Brasil, o custo, de R$ 60 mil para hospital de 200 leitos, é uma das barreiras à adesão.

Há outras. A prática prevê mudanças na cultura, o que pode gerar conflitos entre profissionais de saúde. "Não temos pretensão de fazer com que todos os hospitais sejam acreditados. Mas os padrões de segurança do paciente devem atingir a todos."

Até 70% dos erros que ocorrem em hospitais brasileiros, como medicações trocadas ou operação de membros errados, seriam evitados se as instituições seguissem protocolos já estabelecidos. 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2015/05/1628532-so-5-dos-hospitais-do-brasil-tem-selo-de-qualidade-40-deles-estao-em-sp.shtml


Feira Hospitalar: Nosso associado Arkmeds




Reservem a Agenda: “I Fórum de Gestão de Infraestrutura Hospitalar”




Congresso Brasileiro de Manutenção




Sorteio de vaga para Curso de Segurança Elétrica Aplicada aos Equipamentos Eletromédicos




Omni Experience - Sucesso!




Metrosaúde 2018




APRESENTAÇÃO ELUXEO - FUJIFILm Para Engenheiros Clínicos




Omni Experience




Primeiro Simpósio de Eletrocirurgia para Engenharia Clínica




Ranking dos melhores hospitais da América Latina




Associação Brasileira de Engenharia Clínica – ABEClin

A ABEClin, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos e de duração ilimitada. Foi estabelecida com o objetivo de incentivar, consolidar, integrar e qualificar os profissionais que atuam na área de Engenharia Clínica definindo-os da seguinte forma:

“O Engenheiro Clínico é o profissional que aplica as técnicas da engenharia no gerenciamento dos equipamentos de saúde com o objetivo de garantir a rastreabilidade, usabilidade, qualidade, eficácia, efetividade, segurança e desempenho destes equipamentos, no intuito de promover a segurança dos pacientes.”